fbpx

O que é ter uma vida com propósito e sentido?

Buscar propósito e sentido na vida vem sendo quase um mantra para muita gente. Uma rápida busca na internet mostra que o tema está em debate em todas as áreas, desde quem fala sobre espiritualidade, passando pela filosofia e entrando fortemente no mundo corporativo. 

No entanto, ter propósito e sentido na vida é muito mais do que ter planos, metas ou objetivos a curto, médio e longo prazo. Para Margarete Áquila, psicanalista especializada em neurociência, o caminho é o autoconhecimento. 

“Expandir a consciência é conectar-se ao ser essencial e não à mente egóica. Por isso, a jornada do Ego ao Eu Superior é tão importante. Conhecer o ego, olhar para as sombras, mas ir em busca da essência, não de quem se está, mas de quem se é”, afirma. 

Ao olharmos a formação do nosso cérebro com a ajuda da neurociência vemos que ele foi construído de forma hierárquica. Primeiro, o cérebro reptiliano, baseado na sobrevivência. Nossos ancestrais viviam condicionados pela autoproteção, tinham que lutar muito para ter comida e segurança. Depois vieram as emoções, com o sistema límbico, e, há 50 mil anos, temos o cérebro do Homo-sapiens-sapiens, com o Neocórtex trazendo funções intelectuais superiores.   

Essa formação e o constante estado de descontentamento de algumas pessoas acontece em especial quando o foco está na persona, nas máscaras que desenvolvemos. Passamos a vida criando uma identidade, preocupados com a autorreferência, com a imagem social, com o que vão pensar de nós, tentando ficar no controle. Mas a ciência já prova que quem decide é o inconsciente. E então vem a pergunta, mas não temos livre-arbítrio?

“A sensação de livre-arbítrio é importante para a noção que a pessoa tem sobre si, mas temos que entender que temos uma incompletude das informações. Temos cerca de 100 milissegundos para mudar uma decisão que o inconsciente já tomou. Mesmo pequena, temos condição de livre arbítrio”, explica Margarete.

Coragem, o ponto de virada da evolução

O Dr. David R. Hawkins, psiquiatra norte-americano, foi uma das pessoas que mais se debruçou a desvendar as emoções humanas e como elas se apresentam numa escala evolutiva. Ele desenvolveu a Escala Hawkins, que avalia e ordena emoções desde as mais negativas até as positivas e caracteriza cada estado de consciência.

“A ideia é trabalhar no nível da coragem e ter um turning point (ponto de virada) para ser carregado para outro nível para trabalhar o propósito de maneira muito mais atuante. Quem está na busca do autoconhecimento de verdade, já está nesse nível da coragem”, afirma Margarete.

E aqui falamos de coragem na definição de sua raiz latina “cor”, que significa “coração”. Portanto, ser corajoso significa viver com o coração.

Intenção é a raiz da direção

Viver com intenção é se auto responsabilizar. E aqui algumas atitudes são importantes, como: 

  • Assumir a responsabilidade de formular conscientemente seus próprios objetivos e propósitos;
  • Preocupar-se em identificar os atos necessários para alcançar os objetivos estabelecidos;
  • Monitorar o comportamento para que ele esteja em sintonia com os objetivos estabelecidos;
  • Prestar atenção aos resultados dos próprios atos, para saber se eles levam aonde se quer chegar.

“A questão não é onde eu quero chegar ou o que quero conquistar, mas como eu quero estar. O que eu quero sentir quando chegar lá no que eu estou estipulando, se eu faço isso eu abro o leque do universo”, completa. 

Já pensou nisso? O que você quer sentir quando conquistar aquele diploma, aquela casa ou carro, aquela viagem, aquela cura?


Se você está em busca de uma jornada de autoconhecimento, rumo ao Eu Superior, nós indicamos o curso Autoconhecimento e Espiritualidade, com Margarete Áquila. Este curso abre matrículas apenas uma vez ao ano, pois é longo e profundo, com base em psicanálise e neurociência. Seja avisado primeiro através da lista de espera. Clique aqui.

Artigos relacionados

Respostas

  1. Este é, mais um, belíssimo material para estudo, reflexão e aprendizado.
    Sinto-me gratificada, pois sou uma buscadora e amo a experiência do encontro aqui, no Círculo.